09/01/2020 • • por Andre Massaro

O que é Pensamento Crítico


Existem inúmeras formas de definir o que é pensamento crítico (alguns dizem, também, “raciocínio crítico”).

Talvez a definição mais “acadêmica” seria algo como “a aplicação da lógica informal nos processos de raciocínio e decisão”. Mas outras definições podem se aplicar, como as seguintes:

  • Saber fazer as “perguntas certas”
  • Ter consciência de que nosso raciocínio é falho, limitado e enviesado
  • O oposto de “pensamento automático”
  • “Ceticismo saudável”
  • Disciplinar a própria mente e o raciocínio

Enfim, o pensamento crítico é um conjunto de habilidades de raciocínio que envolve metacognição (“pensar sobre o próprio pensamento”), coleta e avaliação de evidências, avaliação lógica de argumentos e avaliação de quadros de referências (os frames).

Argumento – O objeto de análise do Pensamento Crítico

Praticamente “tudo” em nossa comunicação, tanto interna (conosco mesmos – nosso diálogo mental) quanto externa (com outras pessoas) está apoiado em argumentos. É baseado em argumentos que formamos nossas crenças, nossas visões de mundo e tomamos nossas decisões.

Leia aqui: O que é um argumento

Os erros e acertos que fazemos em nossas vidas são resultados de decisões; e decisões são baseadas em argumentos. Por isso, uma melhor avaliação e entendimento dos argumentos pode nos levar a não cometer erros ou (sendo mais realista) a, pelo menos, “errar menos”.

Um argumento é um conjunto de declarações. Essas declarações são as “premissas” e a “conclusão”. É assim mesmo, “premissas” no plural (pode ser uma ou mais premissas em um argumento) e “conclusão” no singular (um argumento tem apenas UMA conclusão).

Existem formas de classificar e decompor os argumentos (como os argumentos dedutivos e indutivos) que fogem do escopo deste artigo (que é apenas “apresentar” o pensamento crítico para aqueles que não conhecem tão bem). Mas, neste momento, o que se precisa saber sobre argumentos é que eles são formados de premissas e de uma conclusão.

As premissas são declarações que implicam em algum tipo de pressuposição (algo que é “presumidamente verdadeiro”) e dão a “base” para que se forme uma conclusão.

A conclusão é algo que deriva das premissas e é o “produto final” do processo lógico. As conclusões nos levam a decisões, ações, atitudes e a fazer previsões sobre o futuro.

Em processos de raciocínio mais complexos, a conclusão de um argumento pode virar a premissa de outro, formando uma grande “cadeia” de raciocínio.

Abaixo: Gravação de uma palestra de curta duração sobre Pensamento Crítico feita por mim, em 2019, no Conselho Regional de Administração de São Paulo (CRA-SP)

Os problemas dos argumentos

Preciso avisar uma coisa neste momento: o pensamento crítico não é uma coisa “supersimples”. Não é uma receitinha de bolo na linha “cinco passos para ser feliz”. O pensamento crítico exige um pouco de estudo (para entender essa dinâmica dos argumentos, premissas e conclusões) e exige uma grande disciplina mental, pois não é uma coisa muito intuitiva.

A nossa mente não gosta muito de pensar criticamente, pois isso exige um certo esforço e uma “saída da zona de conforto”. Em circunstâncias normais, nossa mente sempre vai optar pelo “caminho fácil” do pensamento automático, que nos leva a conclusões rápidas e, frequentemente, erradas.

Mas, feita essa ressalva (de que existe uma certa complexidade nos argumentos e no pensamento crítico em si), quero falar, de uma forma simples (talvez beirando o “simplismo”) quais são os dois grandes problemas dos argumentos (que o pensamento crítico tenta identificar):

  • Premissas “furadas”
  • Conclusões ilógicas

Em resumo, é isso que o pensamento crítico faz. Avaliar argumentos em busca de premissas furadas e/ou conclusões ilógicas.

Por que o pensamento crítico é importante

O “porquê” do pensamento crítico é bastante obvio. Nossas crenças e decisões são baseadas em argumentos. Por sua vez, se esses argumentos são baseados em premissas furadas e/ou conclusões ilógicas, nossas crenças e decisões serão igualmente furadas e/ou ilógicas.

Isso, por si só, já é um problema grande o suficiente. Porém, as coisas se agravaram nos últimos tempos por conta do EXCESSO DE INFORMAÇÃO.

Hoje, vivemos “soterrados” em informações. E grande parte dessa informação é ambígua, irrelevante, enviesada (cheia de “segundas intenções”) ou, simplesmente, errada. Cada vez mais vemos pessoas (e mesmo veículos de mídia) misturando fatos com opiniões e vivemos um momento em que a verdade pode ser uma coisa perigosa.

Nesta época de “politicamente correto” e de “pós-verdade”, falar a verdade pode custar muito caro (especialmente quando a verdade contraria os interesses e as crenças de certos grupos).

Atualmente, não há comprometimento com a verdade (bem… não tenho certeza se algum dia já houve). Mas o ponto é que a ocultação da verdade (de forma deliberada ou não) para não “ferir as sensibilidades” de certos grupos ou para, simplesmente, manipular a opinião das pessoas está em níveis altíssimos, potencializada pelo excesso de informação e pela rapidez com que essa informação circula.

O pensamento crítico tenta, então, nos mostrar a “verdade”, para que possamos formar nossas crenças e tomar nossas decisões em bases mais… verdadeiras!

Pensamento crítico é compromisso com a verdade

No começo deste artigo, mencionei “ceticismo saudável” como uma das possíveis definições de pensamento crítico.

O ceticismo é o “estado natural” da Filosofia e da metodologia científica. Partimos do princípio de que as coisas “não existem” até que surja uma evidência em contrário.
Porém, é muito importante ressaltar o “saudável” em “ceticismo saudável”. Isso pois, lamentavelmente, muitas pessoas confundem ser “cético” com ser “do contra”.

Ser “do contra” é ser cético A DESPEITO das evidências a favor de um argumento. É “negar a verdade”. Isso é o oposto de “ceticismo saudável” e, na verdade, é uma forma de burrice.

Ser “do contra” é, geralmente, um sinal de imaturidade, de carência afetiva (querer ser “diferentão” para chamar a atenção) ou de alguma limitação de natureza cognitiva.

Características de quem pensa criticamente

O “pensador crítico” é aquele que consegue fazer uma boa avaliação dos argumentos antes de formar crenças e tomar decisões.

Uma coisa que é importante dizer é que NINGUÉM consegue pensar criticamente 100% do tempo. O pensamento crítico é, como foi dito anteriormente, o oposto de “pensamento automático”.

Só que nós pensamos de forma automática a maior parte do tempo e não tem como ser diferente. Existem momentos na vida que exigem rapidez e decisões baseadas em heurísticas (“atalhos mentais”) ou em que é, simplesmente, antieconômico gastar “energia mental” avaliando um argumento em uma situação de baixo risco e baixa relevância.

Por isso, o que diferencia um pensador crítico de outras pessoas é usar “mais e com mais frequência” as ferramentas de pensamento crítico, e não pensar criticamente o tempo todo. Uma pessoa que pensa criticamente o tempo todo teria que ser uma pessoa 100% lógica – isso está além da capacidade de um ser humano.

Ou seja, mesmo os melhores “pensadores críticos” passam por momentos de irracionalidade (e não são poucos…).

Mas, feita a ressalva de que ninguém pensa criticamente “o tempo todo” (isso é para robôs e computadores – não para pessoas), podemos listar algumas habilidades dessas pessoas que conseguem pensar criticamente “mais do que a média”:

  • Metacognição (capacidade de pensar sobre o próprio pensamento)
  • Capacidade de isolar problemas de seus respectivos contextos
  • Capacidade de raciocinar logicamente (abdução, dedução, indução)
  • Ter “mente aberta” (ressaltando que ter mente aberta não é “aceitar tudo”, e sim estar disposto a analisar argumentos)
  • Capacidade de questionamento
  • Capacidade de avaliar a relevância das informações
  • Capacidade de distinguir entre alegações racionais e emocionais
  • Saber separar fato de opinião
  • Saber identificar quando uma evidência pode estar comprometida ou distorcida
  • Saber reconhecer que um problema pode não ter resposta (ou, pelo menos, não uma resposta simples)
  • Saber pesquisar e buscar informações

Enfim, pensamento crítico é um conjunto de habilidades que pode e DEVE ser desenvolvido.

Uma coisa eu digo: Quando se pensa criticamente, a vida fica “mais chata”. É mais ou menos como ver o seu prato favorito sendo preparado – as coisas perdem um pouco da graça e da magia.

Mas, às vezes, essa “graça” da vida (que muitas vezes é ilusória) vem a um custo alto demais: De crenças e decisões erradas que, na melhor das hipóteses, “atrasam a vida”.

Quer levar uma palestra ou workshop sobre pensamento crítico para sua empresa, escola ou organização? Confira minha palestra “Pense Melhor” clicando no banner abaixo.

Banner Palestra sobre Pensamento Crítico

    Quer se manter atualizado?

    Assine minha newsletter e fique sabendo, em primeira mão, sobre meus artigos e vídeos. E receba, ainda, conteúdos EXCLUSIVOS.

    Leia também:

    Comentários

    Comente