06/07/2020 • • por Andre Massaro

A fascinante história dos “turtle traders”


A história dos turtle traders (“traders tartaruga”, em uma tradução direta e fora do contexto, como você verá adiante) foi um incrível experimento social, comportamental e psicológico feito, nos anos 80, no mercado financeiro americano.

Antes de prosseguirmos, eu quero te fazer uma pergunta: Na sua opinião, as pessoas de sucesso já nascem “predestinadas ao sucesso” ou elas são “feitas” ao longo do caminho?

Provavelmente você tem a sua opinião sobre isso, afinal, é uma das perguntas mais antigas da Humanidade. Pegue artistas, atletas, empresários, estudantes… Por que alguns têm sucesso e outros não? Será uma coisa totalmente aleatória (sorte)? Será que essas pessoas já nascem com algum “talento natural”? Ou será que elas se esforçam e conseguem criar seus próprios caminhos?

Esse tipo de “especulação filosófica” gera boas conversas de botequim. Mas, um dia, nos anos 80, dois americanos, ambos participantes bem sucedidos do mercado financeiro, resolveram transformar a conversa de botequim em um experimento real, para “tirar a prova”.

Leia aqui: O investidor, o especulador e o trader

Os “pais” dos turtle traders

Este é o momento de apresentar os dois americanos que resolveram “tirar a limpo” se o sucesso é uma coisa inata ou se é algo que pode ser adquirido.

Richard Dennis e William Eckhardt eram traders, gestores de investimentos e sócios. Porém, à despeito da sociedade, eles tinham visões diferentes sobre o que era um “trader de sucesso”.

Dennis era uma espécie de “hippie doidão das finanças” (uma figura comum no final dos anos 70 e começo dos anos 80), libertário, simpatizante de causas radicais e adepto do conceito de “tábula rasa”, de John Locke. Segundo esse conceito, as pessoas nasciam como um “livro em branco”, que seria totalmente escrito ao longo da vida da pessoa.

Ele defendia a tese de que as pessoas não nascem predestinadas e podem assumir qualquer caminho na vida. Tudo seria, supostamente, uma questão de receber os conhecimentos e estímulos corretos e, daí, perseverar no caminho.

Já William Eckhardt seguia a tese de que “pau que nasce torto, morre torto”. Ele era adepto da visão de que algumas pessoas têm “dons naturais”, que não podem ser desenvolvidos. Ou você nasce daquele jeito ou “já era”…

Um belo dia, nos anos 80, os dois sócios resolveram colocar o próprio dinheiro em jogo (muito dinheiro, diga-se de passagem) para ver qual dos dois estava certo…

A origem do nome “turtle trader”

O trading é uma atividade associada, na maioria das vezes, a “velocidade”. Por isso, pode parecer estranho se referir a um trader como “tartaruga” (turtle).

Porém, “diz a lenda” que Richard Dennis ficou impressionado ao ver, durante uma viagem à Cingapura, uma fazenda de criação de tartarugas, onde elas cresciam de forma rápida e uniforme. E decidiu, por conta disso, batizar as “cobaias” de seu experimento de trading com esse nome.

A ideia é que ele iria “criar” os traders, mais ou menos como se criava tartarugas naquela fazenda.

A origem do nome é controversa (pessoas com o perfil de Dennis, naquela época, eram chegadas em umas substâncias meio estranhas…), mas a história oficial é que o nome veio da tal fazenda.

Os candidatos a “turtle trader”

Inicialmente, foram selecionadas treze “cobaias”, através de anúncios de jornal. A ideia era pegar pessoas com as mais diversas formações, para não invalidar o experimento.

Mais de mil pessoas se candidataram, que foram submetidas a um processo de seleção que, entre outras coisas, incluía um teste com perguntas de lógica e de comportamento.

Entre os “turtles”, havia um advogado, um ex-piloto da força aérea americana e até um desempregado.

O treinamento

Os turtles passaram por um treinamento intensivo de duas semanas, onde aprenderam os fundamentos do mercado financeiro e aprenderam as regras de um trading system idealizado por Dennis.

Para manter a uniformidade, todos os turtles deveriam operar exatamente o mesmo sistema (trading system), baseado no conceito de trend following.

O sistema tinha regras de entrada, de “piramidação” (entradas adicionais, caso a entrada inicial tenha se revelado acertada), saída, stop loss e, o mais importante de tudo, um limite máximo de risco (position sizing) para cada operação.

Os turtles operavam apenas nos mercados futuros de commodities, sempre buscando diversificar entre diferentes contratos, com pouca correlação.

O sistema era secreto (depois virou informação pública) e o contrato dos turtles previa que eles poderiam ficar operando suas contas por até cinco anos.

As contas (que os turtles operavam) eram do próprio Dennis (sim, ele botou dinheiro dele mesmo na “linha de tiro”) e variavam de quinhentos mil a dois milhões de dólares (em valores da época… era bastante dinheiro). A remuneração nos turtles viria de uma porcentagem dos lucros dessas contas. Nada mal, considerando-se que eles não precisavam colocar nem um centavo do próprio bolso…

O experimento começou em 1983 e, no ano seguinte, foi recrutada uma nova “turma”, que seguia os mesmos critérios.

Leia aqui: O que é um Trading System

Leia aqui: O que é trend following

Os resultados do experimento

A lógica por trás do experimento era bastante simples: Se várias pessoas, de origens e formações distintas, operassem EXATAMENTE O MESMO SISTEMA, seguindo as mesmas regras de forma disciplinada, os resultados deveriam ser muito próximos.

Houve alguns desvios entre os turtles, mas, de forma geral, a tese se confirmou. Durante o período do experimento (em torno de quatro anos), o retorno médio anual dos turtles foi de 80%. Um número, convenhamos, bastante impressionante.

Ao final do experimento, alguns dos turtles acabaram, eles mesmos, virando traders e/ou gestores bem sucedidos.

O fim do experimento

O experimento acabou em 1988. A razão oficial foi “problemas familiares de Richard Dennis”, mas, aparentemente, a razão real da desistência de Dennis foi que ele quebrou… com outro fundo.

Dennis era sócio, em outro fundo, do lendário Michael Milken, o “rei dos junkbonds”, que, eventualmente, foi preso por fraude. O fundo no qual eles eram sócios não seguia as mesmas regras de gerenciamento de riscos dos turtle traders…

Deterioração do sistema de trading

Os turtles foram, no geral, bem sucedidos. Porem, eram muito correlacionados e operavam com volumes significativos.

Com o tempo, o próprio mercado foi se adaptando ao modo operacional dos turtles. O sistema era baseado em rompimentos de canais. A quantidade de “falsos rompimentos” vêm aumentando bastante nos últimos anos. Levou, inclusive, à criação de uma técnica chamada de turtle soup (sopa de tartaruga), que é usada para explorar rompimentos falsos..

Para piorar as coisas, nos anos 90, um dos turtles resolveu “trair” os colegas e vender as regras, tornando-as públicas.

Aí, aconteceu aquilo que acontece quando um sistema vencedor cai nas mãos do público: ele para de funcionar. A dinâmica do mercado financeiro é baseada na ausência de consenso – é preciso ter gente com visões contrárias.

Quando “todo mundo” passa a querer comprar e vender nos mesmos momentos, não tem mais mercado… Basicamente foi o que aconteceu. Quanto mais o sistema se popularizava (e as pessoas compravam e vendiam nos mesmos preços), mais ele ia perdendo a efetividade.

Conclusão

Acho que são duas grandes lições que podem ser tiradas do experimento dos turtle traders.

A primeira lição (que foi o que o experimento quis provar) é que, se você tiver um sistema consistente, com resultados validados estatisticamente e um trader disciplinado operando (que siga a p***@ das regras!), ele vai ganhar dinheiro.

Não é preciso nenhum talento natural ou capacidade premonitória. Tenha um sistema sólido, com risco controlado, com regras bem definidas e SIGA-AS.

A segunda lição é: Assumindo que você consiga desenvolver um sistema sólido e consistente, BICO FECHADO! Quem tem um bom sistema não conta para ninguém… NINGUÉM!

Qualquer trading system “bom”, que se torna público, perde a efetividade (pois todo mundo começa a comprar e vender nos mesmos preços, afetando o equilíbrio do mercado).

Por este motivo, não acredite em trading systems “prontos”, que são vendidos e ensinados por aí. Os únicos trading systems realmente “bons” são aqueles que você mesmo desenvolve, testa e valida.

O sistema original dos turtles é, hoje, um sistema de baixa efetividade. Mas muitos sistemas sólidos e consistentes (especialmente de trend following, que era o conceito usado no experimento) são inspirados no modelo original dos turtle traders, porém, com elementos e parametrizações diferentes.

E, para saber mais sobre a história dos turtle traders (com todos os detalhes, inclusive as brigas e “rolos”), fica como sugestão a leitura (em Inglês) do livro The Complete Turtle Trader, de Michael Covel.

Quer se manter atualizado?

Assine minha newsletter e fique sabendo, em primeira mão, sobre meus artigos e vídeos. E receba, ainda, conteúdos EXCLUSIVOS.

Leia também:

Comente