27/08/2020 • , • por Andre Massaro

Seis hábitos que enriquecem


Antes de escrever este artigo, eu dei uma pesquisada em conteúdos similares (especialmente em sites em Inglês) em busca de um pouco de “inspiração”. E uma coisa que me frustrou um pouco é que a maioria dos artigos que falam sobre “hábitos que enriquecem” não falam, na verdade, sobre hábitos, e sim sobre dicas genéricas (que podem, sim, levar ao enriquecimento) e “diretrizes de vida”.

Mas acabei vendo muito pouco sobre hábitos propriamente ditos. Por isso, talvez, seja interessante começar este artigo com uma definição do que são “hábitos”.

O que é um hábito?

Dando uma olhada no dicionário Michaelis, a primeira definição de hábito é a que melhor se encaixa no que queremos explorar neste artigo: “Inclinação por alguma ação, ou disposição de agir constantemente de certo modo, adquirida pela frequente repetição de um ato”.

Um hábito é, então, algo (uma ação ou comportamento) que a gente faz de forma automática ou semiautomática. Temos uma inclinação natural para fazer aquilo e não precisamos “pensar muito” e nem “fazer força” para aquilo acontecer.

É o que fazemos, naturalmente, se não estivermos prestando atenção ao nosso próprio comportamento.

Os hábitos existem pelo mesmo motivo que existem os vieses cognitivos: Poupar energia e deixar nossos processos de decisão mais rápidos. Aliás, um hábito é, essencialmente, um viés – se não cognitivo, pelo menos de comportamento.

Então, o hábito é uma “programação” em nós mesmos; uma espécie de software que age nos bastidores dos nossos processos mentais.

E a forma como adquirimos hábitos é repetindo determinada ação, até que ela se torne esse processo inconsciente, que acontece nos bastidores e vira uma espécie de “piloto automático”.

A formação de um hábito envolve atenção e força de vontade nos estágios iniciais, até que ele seja devidamente “impresso em nossos circuitos neurais”. Porém, uma vez que ele se consolida, não envolve mais esforço – ele, simplesmente, “acontece”…

Se um hábito pode contribuir para o seu enriquecimento, ele te levará até esse ponto sem precisar “fazer força”. O esforço é exigido na formação e consolidação do hábito. Se o hábito estiver bem consolidado (e não estiver conflitando com outros hábitos opostos), obter o resultado esperado será, apenas, uma questão de tempo.

Bem, agora que já temos uma definição do que é hábito, vamos ver algumas dessas “programações mentais” que podem nos levar ao enriquecimento.

1º hábito – Viva “20% abaixo”

2º hábito – Meia hora de megalomania

3º hábito – A hora do aprendizado

4º hábito – Organize sua vida

5º hábito – Cuide de sua saúde

6º hábito – Networking e relacionamento

1º hábito – Viva “20% abaixo”

Você já deve ter ouvido aquela famosa “receitinha de bolo” que diz que devemos guardar 10% de nossa renda mensal líquida (presente em 9 em 10 livrinhos de autoajuda financeira).

Eu tenho uma visão sobre isso: 10% é pouco (pegue a taxa de juros atual, 10% de sua renda e veja quanto tempo você vai levar, só para formar uma reserva de emergência de um ano…).

30% seria o máximo ideal para uma pessoa comum. Acima de 30%, de duas uma: Ou você ganha MUITO BEM ou está vivendo uma vidinha de merda… Lembre-se que a vida não é uma competição em que vence aquele que morre com mais dinheiro!

Então, eu vejo 20% como um “ponto ótimo” para a maioria das pessoas. E um hábito interessante para se formar, para facilitar essa poupança de 20%, é enxergar sua renda líquida mensal como 20% abaixo do que ela realmente é.

Então, “programe” em sua cabeça que, de sua renda, 20% não te pertencem – pertencem ao seu “eu futuro”.

E onde você 10 mil reais, você vai passar a enxergar 8 mil reais.

Habitue-se a sempre descontar esses 20% de sua renda. Quando esse hábito estiver formado, em qualquer plano que você fizer no futuro, considerará o valor “descontado”.

2º hábito – Meia hora de megalomania

Um problema reportado pela maioria das pessoas que eu conheço é “falta de tempo”. Baseado em minha experiência pessoal e observações, a minha percepção é de que o argumento da “falta de tempo” é falso em, pelo menos, 90% das vezes.

O problema não é falta de tempo, e sim falta de priorização.

Estamos (compreensivelmente) focados o tempo todo nos problemas de curto prazo, e abandonamos nosso planejamento de longo prazo. Não tanto por falta de tempo, mas por “falta de cabeça” e cansaço.

Então, o hábito a formar aqui é reservar, todo dia, trinta minutos (ponha um alarme e um timer e seu smartphone) para pensar nos seus planos de longo prazo mais extravagantes.

Encare essa meia hora diária como se fosse “meia hora para a construção do seu império”. É o momento em que você se desliga das coisas imediatas para pensar nos seus objetivos e desejos megalomaníacos.

É uma forma de você se conectar, diariamente, com a sua própria visão de longo prazo (ou se forçar a CRIAR essa visão, caso não a tenha…).

3º hábito – A hora do aprendizado

Esta recomendação é um clássico do mundo do desenvolvimento pessoal (mas pouca gente executa).

Dedique uma hora por dia aos estudos. Mas não a “qualquer” estudo. Estude temas que sejam relacionados a dinheiro ou que possam valer dinheiro.

O tema que você vai estudar vai de sua preferência, e você não precisa sequer seguir um roteiro de estudos estruturado. O importante aqui é formar o hábito de dedicar uma hora ao estudo – Foque no processo e não no resultado.

O único requisito é que o seu objeto de estudos seja algo com valor econômico (ou seja, algo que vai valer dinheiro depois).

Saber como fazer miçangas ou entender de arte aborígene pode até ter algum valor econômico. Mas entender sobre marketing e vendas, na maior parte dos contextos, é algo que tem valor econômico maior…

Dedique essa hora a buscar conhecimentos de alto valor econômico.

4º hábito – Organize sua vida

Uma das piores coisas que existem é você perder boas oportunidades por estar com seus assuntos pessoais e de negócios “bagunçados”.

Em várias situações da vida, precisamos estar em dia com alguns requisitos formais para podermos fazer certas coisas, e a manutenção dessa situação de “vida em ordem” pode se perder na correria do dia a dia. Por isso, a sugestão é que se dedique uma hora por mês para fazer um levantamento de pendências formais que possam virar um obstáculo quando você obtém alguma oportunidade na vida.

É o caso daquele imóvel de sua família que vocês estão querendo vender há anos e, quando aparece o comprador, vocês “descobrem” que a documentação está irregular. Ou aquela viagem dos sonhos que te “cai no colo”, de graça, e seu passaporte está vencido (e a Polícia Federal está em greve…).

Vou dar um exemplo pessoal (que talvez te inspire): Eu ocasionalmente atendo alguns órgãos do Governo, que me contratam para palestras e treinamentos, e essa contratação é feita através da minha firma.

Por conta disso, minha firma precisa estar 100% do tempo “redondinha”, sem qualquer encrenca fiscal, legal ou seja lá o que for. Então, eu tenho um alarme que toca a cada três meses, para eu verificar a situação da firma em todos os órgãos públicos e tirar todas as certidões fiscais, legais e o que mais tiver.

Se houver algum problema, eu aciono o contador e ele vai atrás para resolver.

Quando esse alarme toca, eu paro o que estiver fazendo e vou cuidar disso. Ressaltando: EU paro e EU vou cuidar disso. Não meu contador, meu assistente, meu estagiário, meu cachorro ou meu papagaio – EU.

É um assunto crítico e importante, então, exige minha atenção pessoal. Eu não posso me dar ao luxo de, no meio de um processo de licitação ou contratação de órgão público, ser pego de surpresa e descobrir que, por conta de algum detalhe técnico ou burocrático, eu não consigo emitir uma certidão.

Mantenha a sua vida em ordem nos aspectos formais, como documentações, licenças e afins.

Não se permita perder grandes oportunidades na vida por conta de desorganização.

5º hábito – Cuide de sua saúde

Sua saúde pode te levar ao enriquecimento. Estar mais saudável significa ter mais disposição e melhor performance mental e cognitiva. E, se você quiser enriquecer, o mínimo que você precisa é que seu cérebro esteja funcionando direito…

Eu não vou entrar em muitos pormenores aqui, pois existe gente mais qualificada do que eu para falar do assunto. Mas é importante formar os hábitos nutricionais corretos (busque ajuda profissional, se for preciso) e criar uma rotina de atividades físicas para manter seu corpo e mente em um estado minimamente funcional.

A questão da saúde deve ser encarada da mesma forma que o hábito anterior (de “manter a vida em ordem”): O caminho do enriquecimento é feito através da exploração de oportunidades que nos surgem. E, quando essas oportunidades urgem, precisamos estar em condições de explorá-las.

Se a sua saúde não estiver bem e sua cabeça não estiver funcionando direito, você não conseguirá tirar proveito dessas oportunidades ou, pior ainda, vai ter um desempenho ruim e pode até “se queimar” para oportunidades futuras.

Então, mantenha o corpo em ordem… e a cabeça também!

6º hábito – Networking e relacionamento

Existe coisa pior que aquela pessoa que fica anos sem falar com você, não tem nenhum interesse em saber como você está e, “do nada”, reaparece em sua vida para pedir alguma coisa?

Sim, existe algo pior que isso: É quando VOCÊ é essa pessoa…

O network (sua rede de contatos) é seu “capital social”. É algo que vale dinheiro e que deve ser cultivado. As melhores oportunidades de trabalho e de negócios são obtidas através das redes de contato.

Por mais competentes que sejamos, o que define nossa contratação (para uma vaga de emprego ou prestação de serviços) é a confiança. Uma pessoa conhecida, ou recomendada por um conhecido, sempre terá vantagem sobre alguém que não vem “referendado”.

Então, desenvolva o hábito de entrar em contato com as pessoas importantes de sua rede periodicamente (use alarmes e embretes, se for preciso). Entre em contato e, simplesmente, mostre interesse e veja como a pessoa está. A ideia é que você faça o contato e não peça nada – apenas demonstre interesse genuíno naquela pessoa.

Às vezes um “oi, como vão as coisas” (sem vir com algum pedido na manga) já é o suficiente para manter aquele contato ativo.

Eu sou contatado por diversas pessoas, conhecidas e desconhecidas, inúmeras vezes por dia. Tente imaginar, de todas essas pessoas que me contatam, quantas fazem isso porque realmente se interessam por mim (e querem saber se estou bem) e quantas estão meramente querendo alguma coisa…

Pois é… pessoas que se interessam, legitimamente, por nós (sem querer algo em troca) são um artigo raro. E você pode se tornar um “artigo raro” para essas pessoas, simplesmente, formando esse hábito.

E, se um dia (esperamos que esse dia nunca chegue) você precisar de algum favor ou ajuda, pode ter certeza que seu pedido será muito mais bem recebido que o da pessoa que, simplesmente, “volta do túnel do tempo” só para te pedir algo e sumir de novo.

Rumo ao enriquecimento

Neste artigo foram apresentados alguns hábitos que podem parecer triviais, mas te garanto que a maioria das pessoas NÃO os tem.

O desenvolvimento desses hábitos (como qualquer hábito) exige esforço, atenção e raramente vai ser um processo agradável. Porém, uma vez que o hábito estiver formado, você não vai nem perceber que as coisas estão acontecendo. Os hábitos simplesmente “te levarão”, não só ao enriquecimento, mas a muitas outras coisas positivas que essas ações e comportamentos podem te trazer.

    Quer se manter atualizado?

    Assine minha newsletter e fique sabendo, em primeira mão, sobre meus artigos e vídeos. E receba, ainda, conteúdos EXCLUSIVOS.

    Leia também:

    Comentários

    Comente