12/05/2020 • • por Andre Massaro

Como viver de renda (na era dos juros baixos)


Perguntar para alguém “como viver de renda” é sempre uma coisa perigosa. Dependendo do senso de humor da pessoa (se você pega pela frente aquele típico “tio do pavê), lá vem uma piada infame do tipo “faça peças de lingerie em casa e venda”.

Lingeries diversas de renda
Não era isso o que eu tinha em mente com “viver de renda”…

No contexto das finanças pessoais, “viver de renda” é associado a ter renda passiva. Renda passiva é aquela renda que não depende de trabalho para ser gerada, pois ela é gerada por um ATIVO (um item do patrimônio) que a pessoa possui.

Leia aqui: Renda passiva – O que é e como obter

Quais são os ativos geradores de renda

Tipicamente, os ativos geradores de renda são ativos financeiros (como ações e títulos), ativos reais (como imóveis e máquinas, que podem ser alugados ou arrendados) e ativos intangíveis que podem ser classificados como “capital intelectual” (que geram renda na forma de royalties e direitos autorais).

É viável viver de renda no Brasil atual?

Viver de renda já foi muito mais fácil no Brasil. Até poucos anos, o Brasil era um dos países com mais altas taxas de juros no mundo, e esses juros se refletiam nos retornos de títulos de renda fixa. Conseguíamos, investindo apenas em ativos de baixíssimo risco (como títulos do Governo), retornos que chegavam nos dois dígitos percentuais (reais, já descontados de inflação e impostos) por ano.

Só que essa realidade parece ter ficado para trás – talvez em definitivo. Desde o começo deste Século, as economias desenvolvidas baixaram drasticamente suas taxas de juros (por motivos que fogem do escopo deste artigo), o que, basicamente, inviabilizou o investimento em renda fixa para quem tem planos de viver de renda.

Aqui no Brasil a coisa foi (bem) mais demorada e, por muito tempo, estivemos na contramão do mundo. Porém, a partir de 2019, começamos a ter taxas mais próximas daquilo que se pratica em economias desenvolvidas e, ao menos no momento em que eu escrevo estas palavras, não há nenhum sinal ou evidência de que isso vá voltar para trás.

Hoje em dia, um investimento em renda fixa típico já pode ser considerado um bom negócio se conseguir repor a inflação… E olhe lá!

Por isso, aquilo que, no Brasil, funcionava e era o caminho para viver de renda, já não funciona mais… O passado passou e agora estamos em outra realidade.

Como viver de renda com ativos financeiros

Quer viver de renda com ativos financeiros de baixo risco? Então é melhor acordar, Bela Adormecida!

A não ser que você tenha um patrimônio financeiro enorme e se contente em viver com um rendimento que pode ser inferior a 1% ao ano, descarte a renda fixa. Seu caminho terá que passar, necessariamente, pela renda variável.

Leia aqui: Renda fixa e variável – entenda a diferença

Os ativos de renda variável que se enquadram num plano de viver de renda são as ações de empresas negociadas em bolsa (especialmente aquelas que são consideradas boas pagadoras de dividendos) e os fundos imobiliários.

O problema da renda variável é que, como o nome sugere, ela varia… Então, esqueça EM DEFINITIVO a ideia de que o mercado financeiro vai te pagar um “salário”. Quem quer salário, tem que procurar um emprego…

A renda proporcionada por ativos de renda variável é irregular e instável. Nos períodos de “vacas gordas” as ações e fundos imobiliários até dão uma impressão (falsa) de estabilidade e previsibilidade. Mas, nos momentos de crise (que são inevitáveis) a coisa muda radicalmente de figura.

Por isso, quem quer viver dos rendimentos de ações e fundos imobiliários precisa ter uma reserva de liquidez (um buffer de dinheiro) que permita à pessoa viver, por um período longo (idealmente mais de um ano) com as “torneiras fechadas”.

Frustrante, não? Mas, a despeito disso, saiba que tem gente que consegue viver (e vive bem) da renda de ativos financeiros. Apenas saiba que não é fácil.

Vivendo da renda de outros ativos

Ativos reais (como imóveis e máquinas, mencionados anteriormente) podem ser ativos geradores de renda. Eles têm em comum, com os ativos financeiros, o fato de que precisam ser adquiridos… Ou seja, é preciso “colocar dinheiro para poder ganhar dinheiro”. Ou você trabalha – e compra esses ativos – ou você vai usufruir dos ativos pelos quais alguém trabalhou (talvez, algum parente seu de quem você herdou o patrimônio).

Leia aqui: É possível ficar rico apenas investindo dinheiro?

Mas a renda passiva desses ativos é fruto, necessariamente, da “renda ativa” de alguém que deu duro para adquiri-los.

O caso dos ativos intangíveis é bastante interessante. Você não necessariamente precisa trabalhar duro ou colocar dinheiro para construir um capital intelectual que tenha valor. Um belo dia, do nada, você pode ter um “estalo” e criar um novo Harry Potter, ou um novo personagem infantil que vai encantar todas as crianças e, violà… Talvez, mais um para a lista dos bilionários.

Só que o capital intelectual é muito mais “misterioso” do que os ativos financeiros e os ativos reais. Quando você compra ações de uma empresa, você está comprando, bem… um pedaço daquela empresa, que já existe e gera riqueza.

Personagem Peppa Pig
“Eu olhei para a tomada e tive uma idéia!”

No mundo dos ativos intangíveis, a gente não sabe exatamente porque o Windows, o Facebook, a Peppa Pig, o Harry Potter e o Pokemon fizeram sucesso… Simplesmente “acontece”.

Então, podemos dizer (sei que muitos não vão concordar, mas…) criar patrimônio intangível que te permita viver de renda é algo mais próximo de “ganhar na loteria” do que formar um patrimônio de ativos financeiros e/ou reais.

Quanto é necessário (sendo realista) para viver de renda

A chave para conseguir viver de renda é saber o que significa um retorno realista sobre os seus ativos. Apenas com essa informação você poderá definir qual é a renda que pretende obter e qual é o patrimônio que precisa acumular.

A renda gerada por ativos financeiros, como ações e fundos imobiliários, é informada por um indicador financeiro chamado “Dividend Yield” (saiba mais neste artigo “O que é Dividend Yield – e como calcular”).

O dividend yield nos diz qual é a renda gerada por um ativo sem contar com a sua valorização. Ou seja, é o quanto que a sua vaquinha te dá só produzindo leite (sem ter que vender bifes feitos dela…).

Neste contexto, o dividend yield equivale ao aluguel de um imóvel. Quando você tem um imóvel e quer viver do aluguel dele, pouco te importa se ele valorizou (pois você não tem intenção de vendê-lo). O que importa é o dinheiro que “pinga na sua conta”.

Se você fizer uma análise (e não faltam opções para você obter essas informações) da média dos dividend yields pagos por empresas e fundos imobiliários nos últimos anos, você poderá ter uma expectativa realista de quanto poderá obter.

Da mesma forma, se fizer uma análise de quanto vem sendo os aluguéis de imóveis nos últimos anos (conforme o local e as características do imóvel), também poderá ter um número realista (no caso de querer viver de aluguéis).

Com esse “retorno realista”, você pode começar, enfim, a fazer planos.

Vamos imaginar, então, que sua análise de ativos financeiros te deu um retorno médio de 5% ao ano (em números reais, descontada a inflação).

Agora, vamos imaginar que você estima que precise, para viver de renda confortavelmente, 10 mil reais (em valores de hoje). Vamos “anualizar” essa renda pelo velho e bom método matemático da “conta de padaria” e vamos, simplesmente, multiplicar por 12 meses… Pronto! Sua renda desejada é de 120 mil reais por ano.
A uma taxa de retorno média (atenção ao MÉDIA) de 5% ao ano, temos esta continha aqui abaixo…

120.000,00 / 0,05 = 2.400.000,00

Pronto… 2,4 milhões (e um pouco de sorte nos seus investimentos) é o que você precisa para viver confortavelmente.

Retornos médios e longo prazo

Chamei a atenção, há pouco, para o fato de que as taxas de retorno esperadas devem ser consideradas como MÉDIAS ao longo de um período de tempo longo. Se seu retorno médio apurado foi de 5%, saiba que, em alguns anos, você pode ter bem mais que isso e, em outros, pode ter retorno negativo. E, ainda assim, nada te garante que esse número médio de anos anteriores será a média dos anos que virão.

Por isso, como eu ressaltei no começo do artigo, é preciso ter uma reserva de liquidez (similar à famosa reserva de emergência) que te permita ter um fluxo de caixa regular em momentos de crise.

Em momentos de crise, empresas deixam de dar lucro, imóveis ficam desalugados e seu fluxo de caixa vai “pro buraco” se você não tiver esse colchão financeiro que, assim como a reserva de emergência “padrão”, deve ser investido em ativos líquidos e de baixíssimo risco.

Leia aqui: Reserva de emergência – o guia definitivo

Conclusão

Viver de renda é possível. Não é (nem um pouco) fácil, mas é possível.

Para viver de renda, você precisa ter um patrimônio que, considerando taxas de retornos REALISTAS, te permita viver com o padrão de vida que você deseja.

Obter retornos financeiros relevantes (especialmente na atual realidade brasileira) não é nada fácil. Mas a parte realmente difícil é, previsivelmente, a formação do patrimônio.

Algumas pessoas dão sorte e já nascem em famílias onde as gerações anteriores já acumularam esse patrimônio para você, mas a grande maioria das pessoas tem que construí-lo.

Porém, mesmo as coisas mais difíceis podem começar a parecer mais fáceis e factíveis quando a gente consegue mensurar. Fazendo a conta “de trás para frente”, conforme foi sugerido neste artigo (define-se os retornos médios dos ativos, a renda desejada e se chega no patrimônio necessário), você pode ter uma ideia mais clara de qual é o valor da sua independência financeira. E pode fazer seu planejamento de vida com base em números mais sólidos e consistentes.

Quer se manter atualizado?

Assine minha newsletter e fique sabendo em primeira mão de meus artigos e vídeos e, ainda, receba conteúdos EXCLUSIVOS.

Leia também:

Comente