02/01/2020 • • por Andre Massaro

Position, Swing, Day Trading… O que é isso?


Position trading, swing trading e day trading são os mais conhecidos e populares PRAZOS OPERACIONAIS no mundo do trading. Neste artigo, vamos dar uma “geral” nos prazos operacionais, pois eles são uma peça fundamental na definição do “estilo” de cada trader.

Começando pelo começo – O que é um trader

É importante repassar a definição de trader para não confundir “bananas com laranjas”. Um trader é aquele sujeito que compra um ativo financeiro para vender mais caro depois (ou vende mais caro antes para recomprar mais barato no futuro – para saber mais, confira este artigo sobre “Como ganhar com a bolsa em queda”).

O que define um trader é a intenção de NÃO MANTER aquele investimento. Aquela operação é feita apenas e exclusivamente para obter lucro na transação. Inclusive, a tradução literal de trader é “comerciante”. Comerciantes são pessoas que compram mercadorias para vendê-las com lucro – não compram para manter e nem para consumir. Um trader financeiro faz a mesma coisa.

Confira este artigo para saber mais: “O investidor, o especulador e o trader”

O que são “prazos operacionais”

Ok, então, aqui, já temos um consenso. O trader vai comprar e vender (mas não vai manter). Assim como no caso do comércio tradicional, tem gente que prefere “girar” os produtos rapidamente (fazendo várias transações com uma margem de lucro pequena, mas procurando ganhar no volume) e gente que quer ter lucros mais altos, nem que isso demore um pouco mais.

No mundo do trading financeiro, analogamente, tem aqueles que preferem fazer mais operações, mais rápidas e com lucro menor (mas ganhando no volume) e aqueles que preferem fazer menos operações, mas com ganhos maiores.

Os prazos operacionais são baseados no tempo médio em que o trader mantém suas operações antes de encerrá-las.

Como já é sabido, os mercados financeiros se movem de várias formas, seja desenvolvendo tendências ou retornando às suas próprias médias. Em períodos mais longos, essas movimentações do mercado têm (previsivelmente) mais amplitude e o potencial de ganhos é maior.

E aí, vai de cada trader definir qual o melhor prazo operacional para si. Alguns preferem operar com mais frequência, explorando movimentos menores e ganhando no volume. Outros preferem (às vezes até por falta de tempo ou disposição de acompanhar o mercado) operar com frequência menor.

Os três prazos operacionais mais comuns (que são mais mencionados na literatura especializada) são, indo do mais longo para o mais curto: Position Trading, Swing Trading e Day Trading

Position Trading

Position Trading é um tipo de operação cuja expectativa de duração costuma ir de poucos meses até alguns anos.

São operações direcionais (que procuram seguir uma tendência) e a seleção dos ativos pode ser feita com abordagens de linha técnica, fundamentalista ou mista. Porém, “position trading” é uma denominação mais presente no mundo da Análise Técnica. Praticantes de Análise Fundamentalista mais “puristas” não reconhecem essa denominação de prazo operacional.

Importante: As operações de position trading são de longo prazo, porém, como o nome sugere, são uma forma de trading. Por isso, elas não devem ser confundidas com outras abordagens de longo prazo como o Buy & Hold e o investimento em ações pagadoras de dividendos, em que não existe uma intenção explícita e declarada de vender aquelas ações.

As operações de position são feitas, usualmente, com ações. Não é comum fazer position com derivativos por causa dos prazos de expiração, que costumam ser curtos.

Para saber mais, confira o verbete “Position Trader” (em Inglês) no portal Investopedia

Swing Trading

Swing” é uma expressão em Inglês que, em tradução literal, seria algo como “balanço” ou “balançar” (verbo). Ativos financeiros se movem em tendências, mas, quem já viu um gráfico de algum ativo qualquer, certamente já percebeu que essas movimentações não ocorrem em “linha reta”.

O mais comum é que essas tendências se desenvolvam em movimentos oscilantes ao redor dos preços médios, formando uma imagem de “escadinha” ou “dentes de serra”. No contexto de mercados financeiros, se dá o nome de swing a esses movimentos de “vai e volta”.

Setas mostrando o movimento de "swing" em um gráfico financeiro
As setas brancas representam os “swings” do ativo financeiro

As operações de swing trading costumam durar, tipicamente, entre alguns dias e umas poucas semanas. São feitas, em sua grande maioria, baseadas apenas em análise técnica ou com uma abordagem híbrida (utilizando a Análise Fundamentalista como um “filtro” de ativos).

Normalmente se usam gráficos com periodicidade diária (onde cada barra corresponde a um dia). O nome “swing trading” vem da duração típica de um swing em um gráfico diário, que costuma ser de alguns dias ou, mais raramente, algumas poucas semanas.

O Swing Trading é um dos prazos operacionais mais populares entre os traders, pois ele evita o “excesso de ruídos” do day trading (veremos a seguir) mas, por outro lado, oferece um feedback razoavelmente rápido para o trader validar suas estratégias e abordagens.

Leia este artigo aqui “‘Swing trading’ é melhor para iniciantes”

Day Trading

Day trading são operações que duram um único dia. Elas são abertas e fechadas no mesmo “pregão”.

O Day Trading tem algumas vantagens significativas sobre os outros prazos operacionais. Uma delas é a facilidade de uso de alavancagem. Para um day trader “típico”, não é comum usar dinheiro nas operações. Normalmente as operações são feitas com linhas de crédito (“conta margem”) ou ativos depositados em garantia. Isso permite um uso mais eficiente do capital.

Outra vantagem do day trading é que não expõe o trader aos temíveis gaps (Leia aqui um artigo sobre gaps na bolsa).

Por outro lado, day trading é uma “profissão”, que exige acompanhamento do mercado e as operações têm, tipicamente, uma taxa de êxito baixa. Isso por que o mercado apresenta muito “ruído” e movimentos falsos nos prazos mais curtos. Na teoria, o day trading é “lindo”. Mas, na prática, a maioria das pessoas que se aventura por aqui acaba “se arrebentando”.

Leia um artigo sobre as vantagens e desvantagens do day trading clicando aqui.

O Day Trading costuma ser feito com Análise Técnica ou técnicas não-direcionais como o tape reading e a análise de fluxos das instituições financeiras. Aqui, a Análise Fundamentalista é, praticamente, não-existente.

É possível fazer Day Trading com ações, derivativos e outros ativos financeiros. A preferência da maioria dos day traders costuma recair sobre os derivativos (como opções e futuros) por causa das possibilidades de alavancagem.

Confira este vídeo sobre day trading do canal TopMoney

High-Frequecy Trading (HFT) – Um prazo ainda mais curto

High-Frequency Trading (ou HFT) são operações que duram frações de segundo. São, em sua quase totalidade, operações de arbitragem (não-direcionais) e de risco extremamente baixo.

Porém, aqui é o domínio dos investidores institucionais e das tesourarias. Aqui não é o “parquinho” do trader comum pois, para operar em alta frequência, é preciso ter um arsenal tecnológico (que inclui hardware praticamente “de uso militar”) extremamente caro, complexo e pouco acessível aos “pobres mortais”. Por isso, o HFT está aqui, neste artigo, apenas como “menção honrosa”.

Conclusão

Uma das principais lições de casa de um trader (ou “aspirante a trader”) é a definição de seu prazo operacional.

Para definir o prazo operacional “ideal” é preciso considerar coisas como:

  • Preferência pessoal
  • Tempo disponível para análise e acompanhamento das operações
  • Disponibilidade de capital e necessidade de alavancagem

O mais importante, talvez, seja o tempo disponível. Tem gente que (compreensivelmente) não tem nenhuma intenção de passar o dia todo “grudado em uma tela” acompanhando gráficos de ações e outros ativos financeiros. Da mesma forma, tem gente que não tem muita paciência com prazos mais longos.

Se eu fosse dar uma dica quanto a isso, diria “experimente todos os prazos” (com pouco dinheiro ou mesmo dinheiro nenhum – usando simuladores) e veja com o qual você se adapta melhor.

Com relação aos resultados, conheço gente que ganha (e perde) dinheiro de todas as formas, em todos os prazos… Porém, na minha experiência pessoal e na observação de alunos, clientes e parceiros, aqueles que operam nos prazos mais longos costumam ter ganhos mais consistentes.

Quer saber mais sobre finanças, investimentos e o funcionamento dos mercados financeiros? Confira meu curso introdutório “Blueprint – Formação de Investidores” e meu curso avançado “ValueMater” clicando nos banners abaixo!

Curso Blueprint
Banner ValueMaster

Quer se manter atualizado?

Assine minha newsletter e fique sabendo, em primeira mão, sobre meus artigos e vídeos. E receba, ainda, conteúdos EXCLUSIVOS.

Leia também:

Comente