25/10/2020 • , • por Andre Massaro

O que é position trade – o trading de longo prazo


Position trade é uma modalidade de operação com ativos financeiros que busca tirar proveito de tendências de longo prazo nos mercados financeiros. Essas tendências de longo prazo são aquelas que, tipicamente, se desenvolvem em períodos superiores a um ano.

Neste artigo, vamos entender o que é (e o que não é) o position trade. Vamos entender os conceitos básicos, os mercados onde pode ser aplicado, as estratégias, as vantagens e as desvantagens.

Position trade não é “investimento”

O “trade” no nome “position trade” já é um indicativo de que se trata de uma operação financeira onde, desde o princípio, há a intenção de VENDER aquele ativo financeiro.

Leia aqui: O investidor, o especulador e o trader

O position trader (esse é o nome do adepto do position trading) não é alguém que tem a intenção de ficar com aqueles ativos por tempo indeterminado e, nesse aspecto, ele é diferente daquele investidor “típico” (que associamos muito com o chamado Buy and Hold, modalidade de investimentos em que não há a intenção explícita de se vender o ativo que foi comprado – nem no curto e nem no longo prazo).

Então, o position trader não deve ser chamado de investidor – ele é um trader, assim como um day trader ou um swing trader. A diferença é que seu horizonte de tempo é mais longo.

Position trade não é uma “estratégia”

Tecnicamente, dizemos que o position trade é um “prazo operacional”. Prazo operacional é o tempo aproximado em que o trader espera desenvolver sua operação, do momento da entrada (compra) até o momento da saída (venda).

Uma operação típica de position trading é esperada que tenha uma duração que vai de alguns meses até alguns anos. Para efeito de comparação, o swing trade (que é o prazo operacional “abaixo” do position trade) costuma levar de alguns dias há alguns poucos meses. E o day trade são aquelas operações que duram um único dia.

Por isso, não é conceitualmente correto dizer que position trade seja uma “estratégia”. O position trade não fala sobre o que comprar, quando comprar, o quanto comprar, quando vender e como gerenciar os riscos – ele é apenas uma “abordagem temporal”.

Essa “abordagem temporal” pode (aí sim) ser aplicada às inúmeras estratégias de investimento e trading, como o uso de gráficos (a chamada análise técnica “clássica”), o trend following, o growth investing, o value investing e muitas outras.

A rigor, qualquer estratégia que funcione com day trade ou swing trade funcionará com position trade também. São as mesmas estratégias, só que com um prazo “dilatado”.

Position trade e análise fundamentalista

As estratégias (ou “paradigmas”) de base fundamentalista que melhor se associam ao position trade são o value investing e o growth investing, pois ambas estratégias pressupõem que a operação é finita e haverá um “momento de saída”.

O value investor típico “cai fora” de sua posição quando aquela ação que era “barata” passa a ficar “cara”. Já o growth investor costuma definir um upside esperado (um percentual de valorização baseado em um “preço alvo”) para sua operação.

São abordagens diferentes, por exemplo, do income investing e do buy and hold, onde não há uma intenção clara de vender aquela ação (ou outro ativo qualquer) e realizar lucro.

Position trade e análise técnica

O position trade é, popularmente, muito associado ao trend following, uma estratégia de base técnica que busca identificar tendências de longo prazo.
Mas, em princípio, o position trade pode ser aplicado a qualquer estratégia de base técnica, bastando, para isso, ajustar o período do gráfico.

O mais comum é que o position trader utilize gráficos com periodicidade semanal (onde cada barra ou candle representa uma semana de negociações). Alguns preferem gráficos diários ou mensais, mas, para o position trading, essas periodicidades são menos comuns.

Os melhores ativos para se fazer position trade

Por ser uma modalidade de operação de prazos mais longos, o ideal é que ela seja aplicada em ativos financeiros que não tenham um prazo de expiração ou vencimento.

Os ativos ideais para position trade são as ações (de qualquer tipo ou segmento) e os ETFs de índices “oficiais” (podem ser amplos ou setoriais). Isso porque esses ativos têm um “tempo de vida” indeterminado e existem informações fundamentalistas e técnicas disponíveis para analisá-los.

É possível operar position trade com derivativos e ativos que tenham prazo de expiração (como contratos futuros, por exemplo). Só que isso exige múltiplos ajustes (“rolagens”) ao longo da operação e, quem já fez rolagens de contrato futuro, sabe que, na prática, as coisas nem sempre funcionam de forma tão “bonitinha” quanto na teoria.

Outro problema das operações de position com futuros e outros derivativos é que as regras de margens e garantias da bolsa podem ser alteradas “no meio da operação” (ainda que de forma temporária, algo que é normal durante crises e momentos de grande volatilidade). Quando isso acontece, uma operação de longo prazo pode acabar sendo compulsoriamente “desmontada” em situações não ideais.

Vantagens do position trade

As principais vantagens do position trade derivam, exatamente, dos prazos mais longos e do fato de se estar mais afastado dos “ruídos de curto prazo” do mercado financeiro. Elas são:

Custos menores

Um position trader é alguém que, a rigor, “gira menos” suas operações e, com isso, incorre em menos custos transacionais.

O custo operacional mais visível e explícito é a corretagem, e alguns poderão argumentar que mais e mais corretoras vêm aderindo à prática de não cobrar corretagem (“corretagem zero”) e que essa vantagem do position trading está deixando de ser relevante.

Porém, existe um outro custo “invisível”, que pode sair bem mais caro que a corretagem, especialmente quando se opera em prazos mais curtos: O slippage.

Slippage são perdas financeiras, nas compras e nas vendas, que ocorrem por não se conseguir executar as operações nos preços determinados (caso não conheça, clique aqui e leia um artigo sobre slippage).

Distância dos “ruídos” do mercado

Por serem mais longas, as operações de position trade são menos vulneráveis às flutuações e “loucuras” de curto prazo dos mercados financeiros. Se formos comparar com o oceano, podemos dizer que o position trade fica mais longe da “zona de arrebentação” das ondas nas praias.

Isso pode se traduzir em menos pressão psicológica e stress para o trader que está conduzindo as operações.

Comprometimento de tempo

Em linha com a questão dos ruídos de curto prazo, as operações de position trade demandam pouco tempo do trader para sua gestão.

Um position trader típico pode acompanhar suas posições poucas vezes – usualmente não mais que uma vez por semana ou por mês. Não é preciso ficar “tomando conta” das operações de forma intensiva, como acontece com o day trade e, em menor escala, com o swing trade.

Para o position trader, o trading não vira (se ele não quiser, é claro) um “novo emprego”.

Desvantagens do position trade

Feedback lento

O problema de operações mais longas, especialmente para aqueles que estão começando no trading, é que se demora mais tempo para descobrir que se está fazendo algo errado.

Quando se está em fase de aprendizado ou de aprimoramento de métodos, quanto mais rápido for o feedback (ou seja, quanto mais rapidamente sabermos que estamos errando), melhor.

Nesse aspecto, eu já argumentei, num artigo aqui no site, que o swing trade pode ser mais interessante para quem está começando, pois ele proporciona um feedback mais rápido e, ao mesmo tempo, não está sujeito aos mesmos ruídos do day trade. Fica um “meio termo” interessante para se testar e refinar métodos e estratégias.

Reversões de tendência

Ficar distante dos “ruídos de mercado” de curto prazo é uma coisa positiva. Mas é importante ter em mente que toda grande mudança no mercado financeiro começa como uma pequena flutuação de curto prazo…

O position trader fica alheio a essas flutuações e, de fato, a maioria delas não tem significado e não afeta a quem tem um horizonte de longo prazo.
Porém, quando uma mudança de tendência de longo prazo se consolida (e esse é o momento em que o position trader “dá atenção” a ela), a perda da operação (em relação ao ponto de máximo retorno histórico) costuma ser bastante grande.

Digamos que esse é o “outro lado da moeda” de se ficar distante da “zona de arrebentação”.

Custo de oportunidade

Quando se está com o capital comprometido em operações de longo prazo, sobram menos recursos para operações oportunistas e pontuais de curto prazo.

Para a maioria dos position traders, isso não é e não será um problema (afinal, a intenção já era, desde o começo, ficar distante de operações de curto prazo). Mas, para alguns, isso pode ser uma desvantagem.

Para quem é o position trade

Alguns especialistas e professores de investimentos e trading dizem que o position trade é uma forma mais “tranquila” de operar e, assim sendo, é mais adequada para a maioria das pessoas.

Isso não é totalmente verdadeiro.

Existem alguns perfis para quem o position trade NÃO é indicado, a seguir:

  • Pessoas com patrimônio pequeno e que esperam obter ganhos rápidos;
  • Pessoas que querem ser traders e estão em fase de aprendizado (e precisam de feedback mais rápido);
  • Pessoas excessivamente ansiosas, que não vão conseguir manter o sangue frio quando o mercado “chacoalhar” e vão se deixar afetar pelas flutuações e ruídos de curto prazo. São pessoas que vão acabar desmontando suas posições e estratégias por causa de medo e pânico.

Se você NÃO tem alguma dessas características, o position trade pode ser para você. Aí, neste caso, o que vai determinar se o position trade é o “ideal” para a sua realidade é sua disponibilidade de tempo – é o quanto você quer gastar de tempo “tomando conta” das suas operações.

Se sua disponibilidade de tempo for baixa (e você tiver outras coisas melhores ou mais importantes para fazer), o position trade se torna a abordagem ideal.

Conclusão

Neste artigo, procurei mostrar, da forma mais ampla possível, o que é position trade e, principalmente, o que NÃO É.

Position trade é TRADING antes de qualquer coisa – não deve ser confundido com “investimento”, no contexto que é tipicamente aplicado no mercado financeiro.

E também vimos que o position trade tem limitações e não é essa “maravilha toda” que alguns pintam – e nem é uma modalidade adequada para todos os perfis.

Mas, se você tem o perfil ideal para ser um position trader, talvez “se encontre” e tenha grande sucesso nessa modalidade.

Quer se manter atualizado?

Assine minha newsletter e fique sabendo, em primeira mão, sobre meus artigos e vídeos. E receba, ainda, conteúdos EXCLUSIVOS.

Leia também:

Comente