A (verdadeira) importância dos objetivos nos investimentos

Postado por em jul 5, 2017 em Artigos |

Artigo publicado no blog “Você e o Dinheiro” do Portal EXAME em 05/07/2017 Por: André Massaro Link para o artigo original aqui. Você já deve ter ouvido, de muitos experts em finanças, que é importante ter um “objetivo” ao investir. Para entender a importância dessa recomendação, precisamos voltar alguns anos no tempo. Bem, na verdade, precisamos voltar bem mais que isso… Talvez um ou dois milhões de anos, ao Paleolítico, que é aquele período em que o “Homem virou Homem”. Não se sabe, exatamente, quanto tempo vivia um típico homem paleolítico. Alguns restos mortais já encontrados mostram que algumas pessoas chegavam a viver mais de 50 anos, mas a expectativa de vida média não devia passar dos 20 anos, principalmente por conta da alta mortalidade infantil. Bem, hoje, em grande parte das economias desenvolvidas, as pessoas já vivem, em média, mais de 80 anos… sendo que fomos “projetados” para viver 20! “Investir”, num contexto de finanças pessoais, significa sacrificar o uso do dinheiro no momento presente (seria o ato de poupar seguido do ato de investir) para assegurar a disponibilidade de reservas financeiras no futuro. Ou, então, para podermos fazer, no futuro, algo que exija uma certa quantia de dinheiro acumulada. Ou seja, “investir” é algo que está, intrinsecamente, ligado ao conceito de “futuro”. E “futuro” é um conceito estranho à natureza humana, pois fomos “projetados de fábrica” para não termos um futuro (bem… não se pode dizer que uma criatura com expectativa de vida de 20 anos tenha um “futuro brilhante” pela frente…). Nossos antepassados não pensavam no futuro – eles viviam “um dia de cada vez”. O foco era no curto prazo, na sobrevivência, em “viver o dia de hoje”. Pensar no longo prazo, quando se vivia tão pouco, era um exercício de futilidade. E essa ênfase no curto prazo acabou virando uma estratégia evolutiva vencedora, tanto que nós, como espécie, sobrevivemos e prosperamos. O Ser Humano não foi extinto, a sociedade evoluiu e a expectativa de vida aumentou. E aqui estamos nós, vivendo quase cem anos, mas tendo, essencialmente, a mesma mente dos nossos antepassados paleolíticos, com foco no curto prazo e na gratificação imediata. Para as nossas “mentes primitivas”, não existe o conceito de “longo prazo”. Os nossos impulsos são imediatistas, Carpe Diem (“agarre o momento”)! Deixar de usar os nossos recursos no momento presente, para ter mais conforto “amanhã”, não é algo natural para nós, pois, ao longo de milhares de gerações, vivemos com foco em sobreviver ao “hoje” (e o amanhã… bem, amanhã a gente resolve!). Por isso, a única forma de dominar essa tendência de “gastar tudo agora” é tendo um objetivo bem definido, que gere uma motivação suficientemente forte para conseguir...

Leia Mais

Trading em Renda Variável como opção de renda pessoal

Postado por em jun 23, 2017 em Artigos |

Artigo publicado no blog “Você e o Dinheiro” do Portal EXAME em 22/06/2017 Por: André Massaro Link para o artigo original aqui. Vamos começar com um pouco de história… Em especial, da MINHA história. Minha vida profissional pode ser, grosseiramente falando, dividida em quatro “fases”. A primeira, no início da carreira, foi quando trabalhei diretamente no mercado financeiro, seja em instituições financeiras ou em consultorias especializadas. A segunda fase foi quando eu trabalhei como gestor financeiro de empresas (não-financeiras) e, no final dessa fase, eu enterrei, definitivamente (bem… pelo menos eu acho!) a minha carreira corporativa. A terceira fase foi aquela em que me interessei pelo trading em renda variável (ações e futuros) como meio de vida. A quarta fase é a atual, na qual estou mais focado na educação financeira e no desenvolvimento de conteúdos. Estou numa “área cinza” entre as finanças e a comunicação. Hoje quero falar um pouco sobre essa “terceira fase”. Acho importante tratar deste assunto, pois estamos numa situação econômica um tanto complicada (sem sinais inequívocos de que vá “descomplicar”) e o desemprego voltou a ser, talvez, a principal preocupação do brasileiro. Não apenas o desemprego está muito alto (o número de desempregados já rompeu, há um bom tempo, a barreira dos dez milhões), como está afetando aquele pessoal que, de forma geral, mais “demite” do que “é demitido”: Os gerentes, líderes e profissionais de nível executivo. Esses profissionais, quando saem dos empregos, em geral, saem com uma “boa grana”, por conta das indenizações trabalhistas. Mas também são esses os profissionais com mais dificuldade em se recolocar, por serem caros e, aos olhos de muitas organizações, “velhos” (o preconceito existe, não adianta negar). É natural que, em situações assim, muitas dessas pessoas comecem a olhar o trading (as operações especulativas, usualmente de curto prazo, com instrumentos de renda variável) como uma opção de vida. Afinal, o que pode ser melhor do que “fazer dinheiro com o próprio dinheiro”? Por conta disso, o mercado de recursos e de informações para esses investidores mais “ativos” está fervilhando. Eles estão comprando cursos, livros, relatórios… As redes sociais e comunidades na internet estão movimentadíssimas e eu consigo observar um pouco dessa movimentação, de forma bastante clara, na própria bolsa (onde sou professor – B3 Educação) – os cursos de ações andavam um tanto “caídos” e, de algum tempo para cá, estão “bombando”. O próprio desempenho da bolsa (pelo menos até aquele infame incidente da “delação”, ocorrido em maio) estava encorajando muita gente a entrar. E percebo, claramente, que boa parte desses “novos entrantes” não são simples investidores buscando aumentar seus patrimônios, mas sim pessoas que estão olhando para aquilo tudo como um “negócio”, como uma atividade para gerar...

Leia Mais

Renegociação de dívidas – comece “do jeito certo”

Postado por em jun 15, 2017 em Artigos |

Artigo publicado no blog “Você e o Dinheiro” do Portal EXAME em 15/06/2017 Por: André Massaro Link para o artigo original aqui. O arsenal de ferramentas financeiras para quem quer renegociar e recompor dívidas vem aumentando. Até pouco tempo, o “caminho de menor resistência” para quem quisesse colocar a casa em ordem era o crédito consignado (ainda presente, mas que começa a ficar um pouco menos acessível à medida que mais pessoas perdem seus empregos). Recentemente, a liberação de saldos inativos do FGTS abriu mais uma possibilidade e tem, também, o crédito com garantia em imóvel (home equity), que começou a ganhar relevância há poucos anos, ainda de forma tímida, mas que vem se tornando mais popular. O fato de termos mais opções de crédito não significa que elas estejam mais acessíveis. Pelo contrário, é notório que as instituições financeiras estão restringindo o acesso ao crédito, mas as ferramentas vão surgindo, e aumenta o número de pessoas que se conscientiza da necessidade de colocar a vida financeira novamente nos eixos. Porém, renegociar uma dívida é algo que exige uma preparação que, frequentemente, é negligenciada. As pessoas se “apressam” em renegociar as dívidas (e isso é compreensível, dado o grau de angústia e stress que elas causam) e acabam não dando a devida atenção para duas coisas de suma importância: Dívida não é um problema A primeira delas é que o endividamento não é um problema. Ele é uma “consequência” – algo que resulta de um outro problema, que pode ser a perda do emprego (ou outra fonte de renda), decisões de consumo inconsequentes entre outras coisas. Antes de renegociar uma dívida, é importante que se descubra qual é o “verdadeiro problema” – qual é a causa daquele endividamento. Tratar uma dívida como mero “problema financeiro” faz com que, na maioria das vezes, as pessoas resolvam “o problema errado”. Elas pegam uma linha de crédito, equacionam as dívidas e a vida segue “do mesmo jeito”. O resultado disso é que apenas se “empurra com a barriga” aquilo que iria acontecer, inevitavelmente. A pessoa está à beira da falência, porém, faz uma nova dívida, ganha um fôlego financeiro adicional e, assumindo que as verdadeiras causas não sejam resolvidas, ela vai falir do mesmo jeito, só que “um pouco mais tarde”. Atenção à capacidade de pagamento A outra coisa que costuma ser negligenciada é a real capacidade de pagamento da pessoa. Na pressa em “resolver” a situação (e também por conta da pressão dos credores), algumas pessoas se comprometem em renegociar uma dívida em condições pouco realistas, que elas não vão conseguir cumprir. Isso acaba levando a um “novo calote”, que frustra tanto o devedor como o credor, e pode acabar erodindo...

Leia Mais

O ciclo da vida financeira (e seu efeito “desmotivacional”)

Postado por em maio 25, 2017 em Artigos |

Artigo publicado no blog “Você e o Dinheiro” do Portal EXAME em 25/05/2017 Por: André Massaro Link para o artigo original aqui. Um tema bastante comum e discutido em finanças pessoais é o “Ciclo da Vida Financeira”, baseado na hipótese do ciclo de vida, um modelo que pressupõe que as pessoas tomam suas decisões de consumo e investimentos conforme os recursos disponíveis e o “momento de vida”. O modelo básico foi proposto por Franco Modigliani, economista americano de origem italiana (que ganhou o Prêmio Nobel de Economia em 1985, mas por outro motivo…). O modelo parte da pressuposição de que as pessoas, em geral, seguem um padrão mais ou menos definido de acumulação de patrimônio, conforme o gráfico abaixo (que faz parte das apresentações da B3 Educação – antigo “Instituto Educacional BM&FBOVESPA” – da qual sou professor). Segundo o modelo, as pessoas começam suas vidas profissionais, geralmente, por volta de 20 anos de idade e ganhando pouco. Mais ou menos por volta dos 30 anos, a pessoa entra em seu estágio de maior “aceleração” profissional (com promoções e aumentos), o que leva a uma igual aceleração na construção do patrimônio (ainda mais assumindo-se que as obrigações familiares, nesta fase da vida, costumam não ser tão grandes). Por volta de 40-50 anos, as pessoas começam a ficar um pouco mais conservadoras, com foco maior na preservação do patrimônio já acumulado. Com isso, a curva de crescimento começa a cair. E assim segue até chegar na idade da aposentadoria em que, imagina-se,  a pessoa para de acumular patrimônio e começa, na verdade, a “desacumular” – a usar o patrimônio para suas subsistência. Aí a curva passa a apontar para baixo. O modelo faz sentido e foi criado para dar uma “visão geral” dos níveis de poupança de uma economia conforme o perfil etário da população. O problema é quando as pessoas pegam um modelo que foi feito para analisar a economia “como um todo” e o aplicam às suas vidas individuais. Sempre que eu mostro este gráfico numa palestra, eu faço várias ressalvas de que as pessoas devem evitar “medir” seu próprio progresso financeiro usando o gráfico do ciclo da vida financeira como referência. Isso porque, no mundo real, a realidade de grande parte das pessoas está descolada daquilo que o gráfico mostra, e sua simples exposição acaba gerando um efeito fortemente “desmotivacional”. Inúmeras pessoas na faixa dos 40 anos já vieram falar comigo, constrangidas (após verem o gráfico), sobre o fato de não terem conseguido “acumular nada” (frequentemente, sequer têm uma previdência pública). Às vezes, a coisa vem até com uma dose exagerada de ironia ou dramaticidade, quando as pessoas me perguntam coisas como “E agora, o que eu faço?...

Leia Mais

Revendo o conceito de “investidor conservador”

Postado por em mar 2, 2017 em Artigos |

Artigo publicado no blog “Você e o Dinheiro” do Portal EXAME em 02/03/2017 Por: André Massaro Link para o artigo original aqui. Estamos passando por um daqueles momentos “peculiares” no mercado financeiro brasileiro. As taxas de juros começaram a baixar e os investidores já começam a se perguntar se suas atuais estratégias de investimentos, que vêm sendo bem sucedidas até então, serão viáveis no futuro. Nossos juros ainda são muito altos e estão distantes daquele patamar que estávamos em 2012, quando chegaram à suas mínima histórica em anos recentes, mas há, entre investidores, analistas e economistas, uma sensação de “agora vai”. Uma percepção de que, se nada der errado (em especial no campo político/institucional), as taxas de juros devem caminhar consistentemente para baixo, eventualmente rompendo o patamar de 2012. Talvez estejamos vendo o crepúsculo da “era de ouro da renda fixa”. Talvez os próximos anos sejam os últimos em que será possível ter retornos significativos, por exemplo, com títulos públicos federais. Talvez estejamos vendo a última oportunidade de nos posicionar em títulos de longo prazo, com décadas à frente, que pagam boas taxas de juros e são corrigidos pela inflação. Há uma razoável possibilidade de que essa “moleza” vai acabar. Não sei quando, mas, se eu tivesse que apostar, daria mais alguns poucos anos antes de a renda fixa perder o brilho (novamente, assumindo que nenhuma “desgraça”, no cenário político interno ou externo, aconteça no caminho). Com isso, precisaremos rever nossos conceitos sobre o que é um “investidor conservador”. Há pouco tempo, estava lendo um artigo sobre um famoso investidor brasileiro, que recentemente começou a publicar boletins por email (sim, é aquele mesmo que você está pensando…), e o artigo argumentava que o referido investidor era “extremamente agressivo”, por investir majoritariamente em renda variável e demonstrar certo desprezo pela renda fixa. De fato, para os padrões brasileiros atuais, ele é um investidor altamente agressivo. Aqui no Brasil, qualquer pessoa que tenha metade de sua carteira em renda variável é olhada por outros investidores e profissionais do mercado financeiro como alguém que acabou de fugir do hospício… Por outro lado, se o mesmo investidor estivesse nos Estados Unidos (ou em outra economia desenvolvida), provavelmente ele seria considerado um investidor extremamente conservador, por demonstrar uma preferência por ações de “valor” e de empresas pagadoras de dividendos. Aqui, chegamos ao cúmulo de considerar um investidor que compra títulos como o Tesouro IPCA de longo prazo como “agressivos”. Obviamente, a única coisa que explica essa percepção é o cenário completamente distorcido pelas nossas absurdamente altas taxas de juros, que permite a investidores ganhar um razoável dinheiro em instrumentos extremamente conservadores que, nas economias desenvolvidas, seriam “inócuos”, como títulos públicos de curto prazo e...

Leia Mais